Abertura: De terça a domingo.

Praça D. João III, 2

5210-190 Miranda do Douro

Ciclo do Pão

O ciclo do trigo | l ciclo de l pan  

O passado século marcou uma transformação fundamental no modo de cultivo e produção do cereal, que se iniciava com a lavra do terreno e deita da semente, terminando com a confeção do pão em fornos alimentados a lenha. Pelo meio, num processo que decorria ao longo de cerca de um ano, havia que dar tempo à segada e trilha do cereal, e posterior conversão do grão em farinha através de engenhos moageiros.

De uma maneira geral, estas várias fases do tradicional ciclo do cereal são as mesmas que se encontram de norte a sul do país, contudo podem certas particularidades locais demarcar distinções, seja pelo tipo de cereal fabricado, pelos meios de produção utilizados ou nas designações que assumem.

Em Terra de Miranda, um pouco à semelhança do que se passava na restante região trasmontana, todo o campo não plantado era semeado para o fabrico do pão, lavrado por meio de arados e charruas quando possível, ou cavado à força da enxada. Predominava então o cultivo do centeio e do trigo, mas também, em menores quantidades, a aveia e cevada, estas essencialmente para alimentação dos animais.

A sementeira começava nos primeiros dias do período de outono e estendia-se até finais do ano. Passada a época de chuva e geada, os meses de maio e junho assistiam ao ato da segada. Conjuntos de homens trabalhavam de “sol-a-sol”, ceifando os campos com o auxílio de uma foice e a proteção de dedeiras feitas de couro, e reunindo o cereal em molhos que seriam de seguida transportados para as eiras por meio de carros de bois.

Nas eiras, lajes naturais relativamente aplanadas que existiam um pouco por todo lado, amontoavam-se os molhos de cereal, formando mêdas, construções de formato cónico que por vezes chegavam a atingir alturas superiores a 5 metros. Esperavam o início da trilha, processo através do qual se separa o grão da palha, e que poderia se estender para além do mês de julho, embora como se costumava dizer “quem trilha em agosto, já trilha a contragosto.” Enquanto houvesse cereal para trilhar, homens e mulheres dedicavam dias inteiros a esta atividade para que por fim apenas o grão depurado fosse colocado em tulhas, ou sacas, pronto a ser transportado para os moinhos e transformado em farinha.

**Texto em Língua Portuguesa**

L seclo passado marcou ua mudança grande na maneira de fabricar l pan, que ampeçaba por arar la tierra i fazer la sementeira i acababa a cozer l pan an fornos de lheinha. Pul meio, un trabalho que duraba arrimado a un anho, habie tiempo para la segada, para la trilha i para moler l grano i fazer la farina ne ls molinos.

An giral, estas partes de l tradecional ciclo de l pan son las mesmas que s’ancóntran de norte a sul de l paíç; assi i todo, puode haber ciertas çfréncias de tierra para tierra, seia pula culidade de l pan fabricado, seia pula maneira de l fabricar ou puls nomes que se le dá a las cousas.

Na Tierra de Miranda, de maneira armana al restro de la region stramuntana, las tierras que nun éran plantadas éran para fabricar pan, aradas culs arados quando se podie ou anton scabadas a fuorça de çacho. L que mais habie era centeno i trigo, mas tamien habie, menos, cebada i abena, estas mais para las béstias.

La sementeira ampeçaba ne ls purmeiros dies de l Outonho i stendie-se anté l fin de l anho. Passado l tiempo de l friu i de la gilada, ls meses de Maio i de San Juan éran para la segada. Camaradas trabalhában de “sol a sol”, segando las stalhas cul’ajuda de ua fouce i de dedales fazidos de calfe, ajuntando l pan an manolhos que habien de ser apuis lhebados para las eiras ne ls carros de buis.

Nas eiras, terreiros naturales más ou menos prainos que habie por todo l lhado, abuntonában-se ls manolhos de pan, fazendo bornales, cunstruçones cun feitiu de cone que, a las bezes, chegában a la altura de mais de 5 metros.

Sperában l ampeço de la trilha, para apartar l grano de la palha, trabalho que podie ir par’alhá de l més de Júlio, inda que se questumasse dezir: “quien trilha an Agosto, yá trilha sien gusto”.

Anquanto houbisse pan para trilhar,homes i mulhieres passában dies anteiros neste trabalho para que al fin solo l grano lhimpo fura puosto nas tulhas ou ne ls sacos, purparado para l lhebar pa ls molinos i fazer farina.

**Texto em Língua Mirandesa**

Clique para ouvir som ambiente