Abertura: De terça a domingo.

Praça D. João III, 2

5210-190 Miranda do Douro

Festas do Solstício

Festas do Solstício

festas inverno mirandesas

No contexto do nordeste trasmontano os movimentos de máscaras e mascarados surgem, sobretudo, durante as festas que decorrem em dois momentos distintos entre o solstício de inverno e o equinócio de março.

Marcado pela liturgia cristã, o período natalício ou dos doze dias, que vai do Natal ao Dia de Reis cruzando a passagem do Ano Novo, faz brotar com maior ou menor exposição pública atividades como as Festas dos Rapazes, do Santo Estêvão, dos Velhos, dos Caretos ou do Chocalheiro, que acontecem em várias aldeias da região.

Por sua vez, o período carnavalesco que anda à volta do Entrudo e dos dias que o precedem, celebra simbolicamente a chegada da primavera, de um novo ciclo da produção agrícola, de renovação e fecundidade, com a função de abolir as barreiras entre os homens e a natureza, alterando a norma de inverso.

Observa-se nestas ocasiões uma confusão de contextos entre os elementos religiosos com os de teor mais lúdico e profano. As máscaras e os mascarados transmontanos que vêm de tempos imemoriais e que marcam a sua presença em grande parte desses ritos sazonais são um sinal inequívoco da cultura pagã que os caraterizam, vestígios de antigos usos e costumes herdados dos primitivos povos que deambularam por estas paragens.

Mediadores da eterna relação entre o Homem e o mítico poder sobrenatural, transformam-se por momentos em seres mágicos que assumem as orientações do bem e do mal, de sacerdote e de diabo, evocando os mortos e desafiando os vivos, causadores do caos efémero para de imediato impor a ordem necessária.

No plano simbólico uma máscara apenas adquire o estatuto de autenticidade integrada num determinado corpo social e cultural específico, que a identifica entre as demais em função das mensagens que transmite. Os modelos reproduzem quase sempre um rosto humano, muitas das vezes desfigurado com a intenção de se tornar grotesco. A decoração com figuras zoomórficas, como a salamandra e a serpente é também bastante comum, assim como o desenho de caveiras, reportando à imagem do culto da morte.

Morfologicamente destaca-se uma maior percentagem de máscaras esculpidas em madeira, mas também se encontram com frequência feitas de lata, couro, cortiça, borracha ou em cartão.

**Texto em Língua Portuguesa**

Ne l nordeste stramuntano las salidas de máçcaras i carochos aparécen, suobretodo, durante las fiestas que se fázen antre l solstício d’eimbierno i l eiquinócio de márcio.

Marcado por la liturgie crestiana, l tiempo de natal ou ls doze dies, que ban zde l Natal al Die de Reis, cruzando la passaige de l Anho Nuobo, fai arrebentar cun maior ou cun menos sposiçon pública atebidades cumo las Fiestas de ls Rapazes, de Santo Stéban, de ls Bielhos, de ls Carochos ou de l Chocalheiro, que se dan an bários lhugares de la region.

Por outro lhado, l tiempo al redor de l Antruido i de ls dies antes, celebra simbolicamente la chegada de la primabera, dua nuoba rodada de produçon agrícola, de renobaçon i fecundidade, cun la funcion de sbarrulhar talanqueiras antre ls homes i la natureza, altarando la norma d’alrobés.

Ouserba-se nestas oucasiones ua baralhaçon de causos antre ls eilementos relegiosos cun ls de calantriç más lúdico i profano. Las máçcaras i ls carochos stramuntanos que bénen zde tiempos eimemoriales i que márcan la sue preséncia an grande parte desses rituales sazonales son ua seinha marcante de la cultura pagana que ls caratelizan, seinhas de antigos usos i questumes hardados de ls primitibos pobos que bagamundiórun por estes lhados.

Mediadores de la eiterna relaçon antre l Home i l mítico poder suobrenatural, streforman-se por sfregantes an seres mágicos que ancárnan las ourientaçones de l bien i de l mal, de sacerdote i diabo, chamando ls muortos i zafiando ls bibos, respunsables de l cúrtio todo strampalhar para nun repente amponer l eiquelíbrio que ye preciso.

Nua mirada simbólica, ua máçcara solo ganha l statuto de outentecidade quando fai parte dun cierto cuorpo social i cultural, que la eidentefica antre las demás por bias de las mensaiges que transmite. Ls modelos reproduzen quaije que siempre l calantriç dua pessona, muitas bezes zfigurado cun l prepósito de quedar tosco. La decoraçon cun figuras d’animales, cumo la salamanca i la queluobra ye tamien bastante usada, assi cumo l zeinho de  calaberas, reportando a la eimaige de l culto de la muorte.

Morfologicamente suobressal ua maior porcentaige de máçcaras feitas an madeira, mas tamien s’áchan, a menudo, feitas de lhata, bezerro, cortiça, borraixa ou an papelon.

**Texto em Língua Mirandesa**

Clique para ouvir som ambiente