Abertura: De terça a domingo.

Praça D. João III, 2

5210-190 Miranda do Douro

Pastoreio

Pastoreio

O quotidiano da atividade pastoril de percurso é representada através de objetos de “arquitetura de paisagem”, como uma cabana de centeio, “chocadores” (braseira), um “chiqueiro” de olmo (redil) e uma “caniça”, elemento que integra o chiqueiro onde o gado pernoitava nos meses de verão.

A este conjunto associam-se outros objetos do uso do pastor: manta, serrão, cajado, navalha, bota ou cabaça, tesouras de tosquia; ou de uso dos animais: coleiras de bicos para o cão, chocalhos para as ovelhas, etc. Juntamos alguns objetos habitualmente trabalhados a canivete pelo pastor: colheres de corno e vaca, cornos para transportar alimentos e rocas.

Trata-se de uma mostra que, embora suportada nos objetos, pretende traduzir a expressão da prática do pastoreio na sua dimensão imaterial, jogando com os sentidos e com a representação que podemos fazer destes ambientes.

A prática do pastoreio

O pastoreio de gado ovino é uma atividade de origem milenar, embora saibamos que, desde o Neolítico, o homem se tenha dedicado à domesticação e criação de animais.

Esta atividade tem vindo a sofrer, nas últimas décadas, algumas alterações adaptando-se às mudanças climatéricas, sociais e económicas da região. Apesar da criação de animais ainda manter um papel de relevo na economia doméstica da Terra de Miranda, a prática de apascentar os gados em campo aberto tem diminuído em prol do aumento do número de gado em estabulação, colocando a atividade tradicional do pastoreio em risco de desaparecimento.

Atualmente, o número de animais inscritos no Registo Zootécnico é constituído por cerca de 9.000 cabeças de gado adulto, o qual é distribuído por 73 criadores da raça Churra Galega Mirandesa. Tratam-se de dados que comprovam a importância económica da carne, da lã, do leite e do queijo que estes animais produzem.

A atividade pastoril sempre foi regulada pelas tendências climatéricas pelo que o pastor teve sempre de encontrar soluções para ultrapassar as dificuldades próprias de um clima agreste, desenvolvendo diversas técnicas e saberes. Apesar das alterações verificadas na rotina do gado, ainda há rebanhos, na região, que saem para pastoreio faça calor, chuva ou neve. Neste contexto surge aquilo a que podemos chamar “a arte do pastoreio” e na qual o pastor se apresenta como personagem central. O pastor, na concepção da sua auto-imagem, reflete-se como alguém que vive para o monte e para as suas ovelhas, zelando pelo seu duro trabalho, marcado pelo desgaste físico e pelo isolamento.

Lá parte, com a manta axadrezada e o serrão pendurados do ombro esquerdo, apoiado no cajado de madeira de freixo. Poucos são os apetrechos necessários ao desempenho desta atividade; para o gado basta o “chiqueiro” no Verão e o curral no Inverno; para a proteção do pastor, bastava a cabana e o seu melhor companheiro, o cão.

**Texto em Língua Portuguesa**

l die a die de l oufício de pastor ye repersentado cun cunferrumes de “arquitetura de peizaige”, cumo ua cabanha de centeno, “chocadores” (braseira), un “chequeiro” de olmo i ua “canhiça”, que fai parte de l chequeiro adonde l ganado drumie ne ls meses de berano.

A isto todo, ajúntan-se outras cousas de l pastor: manta, cerron, caiato, nabalha, bota ou calabaça, tejeiras de çquilar; ou de ls animales: carrancas para l perro, chocalhos para las canhonas, etc..

ajuntemos alguns cunferrumes trabalhados cula nabalhica pul pastor: colheres de cuorno de baca, cuornos para lhebar quemida i ruocas.

Trata-se dua amostra que, inda que stribada ne ls cunferrumes, quier traduzir l oufício de l pastor ne l campo eimaterial, jogando cun ls sentidos i cun la repersentaçon que se puode fazer destes trabalhos.

l oufício de andar cul ganado

Andar cun las canhonas ye un oufício cun miles de anhos, inda que sábamos que, zde l Neolítico, l home haba domesticado i criado animales.

Ne ls últimos anhos, este oufício demudou bastante, para andar a par de las mudanças de l clima, sociales i eiquenómicas de la Tierra de Miranda. Inda que criar animales mantenga muita amportáncia na eiquenomie de las famílias de la Tierra de Miranda, cada beç menos pessonas ándan cun ls ganados por l termo i cada beç hai mais ganado criado nas corriças i ne ls stábulos, l que fai cun que l oufício de pastor steia an peligro de acabar.

hoije, l númaro de animales apuntados ne l Registro Zootécnico ye arrimado a 9 000 cabeças de ganado (adulto), debedidas por 73 criadores de Raça Churra Galhega Mirandesa. Estes númaros amóstran l’amportáncia eiquenómica de la chicha, de la lhana, de l lheite i de l queiso que estes animales dan.

l oufício de pastor siempre fui rigulado por l tiempo que fazie i, por bias disso, l pastor tubo siempre que ser capaç d’ancuntrar maneiras de se amanhar cun un clima ásparo, zambolbendo bariadas artes i saberes. Mesmo cun las mudanças na maneira de tratar las canhonas, inda hai ganados que sálen por l termo, faga calma, steia tiempo d’auga ou de niebe. Desta maneira aparece aquilho a que le podemos chamar “la arte d’andar cun l ganado”, na qual l pastor ye la personaige central. L pastor, mirando par’el, bei-se cumo alguien que bibe para l monte i para las sues canhonas, fazendo pul sou nabego, cun muito zgaste de l cuorpo i quaije siempre el solo.

Alhá bai, cun la manta als castros i l cerron çpindurados de l ombro squierdo, stribando-se ne l caiato de madeira de frezno. Poucos son ls cunferrumes que faien falat para este oufício; para l ganado, bonda l “chequeiro” de Berano i l curral d’Ambierno; para l pastor bundaba la cabanha i l sou melhor camarada, l perro.

**Texto em Língua Mirandesa**

Clique para ouvir som ambiente